Counter

sábado, Setembro 06, 2008

Para que a "Rapariga" possa certificar a veracidade

Olá "Rapariga", este post esta ca para que te possas certificar da veracidade da informação por mim enviada.

terça-feira, Agosto 01, 2006

Orgasmo e Prazer Femininos




Como é o orgasmos Feminino?


Vou fazer algumas considerações fisiológicas, padrão, uma vez que cada mulher pode ter reações próprias, na hora de um orgasmo. Entretanto, sob o ponto de vista orgânico, espera-se algumas reações corporais, que fazem com que o orgasmo feminino:

  • Começa com fortes e rítmicas contrações involuntárias da plataforma orgástica (a terça parte externa da vagina) e do útero.
  • O rubor sexual atinge o seu ponto máximo (os lábios vaginais ficam intumescido e mudam de cor).
  • O clitóris fica ereto e sensível ao toque, colaborando para o prazer e a chegada do orgasmo.
  • É possível haver contrações involuntárias do esfíncter retal, o que leva, em algumas mulheres, a sensação de dores no ânus, após o orgasmo.
  • Os batimentos cardíacos aceleram-se, a pressão sanguínea e o ritmo da respiração também chegam ao ponto máximo.
  • Começa-se a perda do controle muscular voluntário (em algumas mulheres pode-se observar a contração de grupos de músculos no rosto, nas mãos e nos pés.

O orgasmo feminino pode ser produzido pela estimulação clitoriana ou vaginal, ou por uma combinação de ambas. Essa estimulação pode se dar por auto-erotismo (masturbação), sexo oral, sexo com penetração vaginal, sexo anal, pelo uso de vibradores ou consolos).

O orgasmo feminino NÃO é igual ao do homem. As mulheres podem gozar pela estimulação apenas do clitóris, pela estimulação da vagina (mais raro), pela estimulação de ambos e pela estimulação anal. Geralmente, após orgasmo, uma mulher pode gozar novamente, se for devidamente estimulada e se ela estiver com desejo. Ao contrário dos homens que precisam de um certo tempo para se recuperarem.

O orgasmo é igual em todas as mulheres?

Não. Embora os estudiosos da fisiologia da resposta sexual feminina descrevam, funcionalmente, alguns fenômenos comuns ao orgasmo feminino, não há um padrão único para que ele ocorra. Quero dizer que, embora hajam reações e sensações biológicas, orgânicas, corporais ... comuns a todas as mulheres, é possível verificarmos peculiaridades e características próprias do orgasmo se expressar, em cada uma de nós. Portanto, não há um modelo único, automático ou definitivo para que o orgasmo se manifeste.

Além desse aspecto pessoal, os momentos e circunstâncias que experimentamos na vida, também são determinantes. O conhecimento sexual pessoal é adquirido ao longo de nossa vida sexual. A expressão prática da nossa sexualidade, ao longo da vida, pode variar e mudar, dependendo do nível de maturidade frente ao sexo, do tipo de estímulo proporcionado pelo nosso(a) parceiro (a), dos níveis de erotização e desejo vividos, do conhecimento e controle dos mecanismos subjetivos da sexualidade (nossas fantasias, por exemplo), da capacidade de entrega aos prazeres do sexo, do desapego aos mecanismos repressores aprendidos pela educação, dos níveis de saúde e bem estar corporal, etc.

Não é possível descrever o orgasmo feminino como um fenômeno único. Cada mulher pode reagir e expressar comportamento próprio:

- há mulheres que tremem

- algumas contraem toda musculatura do corpo

- outras, dão "pulinhos" ritmados

- há mulheres que tem uma única sensação

- outras podem ter várias e seqüenciais descargas elétricas

- há mulheres que riem ... outras choram

Somente a mulher pode dizer e descrever seu orgasmo!

A mulher também ejacula?

Algumas mulheres, durante e após o orgasmo, apresentam, em toda a região chamada soalho pélvico (da vagina até o ânus), rápidas e seqüenciais contrações. Em casos em que a mulher está altamente excitada e, considerando as características de cada uma (portanto isso varia de mulher para mulher), o canal vaginal pode se apresentar com grande lubrificação. As contrações vaginais podem fazer com que, durante o orgasmo, ou após ele ter acontecido, o líquido lubrificante escorra para fora, dando a impressão de que a mulher está “ejaculando”.

Há maneira de se saber como ou se uma mulher atingiu o orgasmo?

Não é possível descrever o orgasmo feminino como um fenômeno único. Cada mulher pode reagir e expressar comportamento próprio. Somente a mulher pode dizer e descrever seu orgasmo!

O facto de a mulher ficar molhada não significa, necessariamente, que atingiu o orgasmo. Geralmente, as mulheres ficam molhadas quando excitadas. É também, verdade, que muitas ficam mais molhadas ainda, quando atingem o orgasmo.

Explicar o que se sente no orgasmo, não é tarefa fácil, mesmo porque, as mulheres podem ter sensações diferentes. Além desse aspecto pessoal, os momentos, circunstâncias que experimentamos na vida, e a compreensão de nossas reações, também são determinantes. Geralmente o orgasmo que caracteriza por uma intensa sensação de prazer, que inicia com contrações pélvicas, aceleração do batimento cardíaco e da respiração, e que culmina com uma “explosão” corporal seguida de um relaxamento muscular.

O conhecimento do orgasmo se dá através da masturbação, em especial, pela estimulação do clitóris. Veja como é importante a mulher masturbar-se para conhecer a si mesma. Nem todas as mulheres conseguem o orgasmo apenas com a penetração vaginal. No entanto, dependendo da posição sexual, o clitóris pode ser estimulado junto com a penetração, aumentando a sensibilidade, o prazer e as chances de atingir o orgasmo.

Historicamente,
a sexualidade feminina é reprimida. As mulheres conseguem segurar (esconder) mais a expressão do desejo e do prazer, da mesma forma em que conhecem menos do seu corpo e de suas reações e vontades.

Ela precisa: aprender a conhecer melhor seu corpo, suas preferência (de posição, de práticas sexuais) e, precisa descobrir como gosta de ser excitada e tocada, e o tempo que precisa para iniciar a penetração, por exemplo. Se já sabe que ela gosta de ser estimulada nos seios, então faça quando ela quiser.

Sem dúvida, o prazer pela estimulação do clitóris, é muito mais fácil de ser conseguido e mais prazeroso, para as mulheres. Penso que muitas garotas acabam por "desistir" de conhecer e por praticar o sexo vaginal pela dificuldade que muitas tem em alcançar o prazer pela penetração. Este é apenas um comentário. Não é uma crítica. Quero dizer com isso, que sentir orgasmo somente com a penetração vaginal é mais difícil, mas não é impossível. Pode ser aprendido.


Erotismo.


Erotismo é o conjunto de expressões culturais e artísticas humanas referentes ao sexo. A palavra provém do latim ‘eroticus’ e este do grego ‘erotikós’, que se referia ao amor sensual e à poesia de amor. A palavra grega deriva-se do nome de Eros, o deus do amor, Cupido para os romanos, que com suas flechas unia corações, significando hoje
amor, paixão, desejo intenso.




Os antigos japoneses e chineses encaravam o sexo com muito mais naturalidade do que nós ocidentais. Símbolos fálicos eram comuns em altares religiosos e seus seguidores consideravam a vida sexual saudável uma obrigação para a evolução do espírito.

O erotismo masculino é activado pela forma do corpo, pela beleza física, pelo fascínio, pela capacidade de sedução. Não pelo reconhecimento social ou pelo poder. Se um homem pendura na parede do seu quarto uma foto de Marilyn Monroe nua, é porque ela é uma belíssima mulher nua. E se ele tiver de escolher entre fazer sexo com uma atriz famosa, mas feia, ou com uma linda mulher desconhecida, não terá dúvidas em escolher a segunda. A sua escolha é feita na base de critérios eróticos pessoais.

Na mulher é diferente: o erotismo profundamente influenciado pelo sucesso, pelo reconhecimento social, pelo aplauso, pela classificação no status da vida. O homem quer fazer sexo com uma mulher bonita e sensual. A mulher quer fazer sexo com um artista famoso, com um líder, com quem é amado pelas outras mulheres, com quem é respeitado pela sociedade. Mas isso é fácil de entender, se lembrarmos que as mulheres, durante milênios, para se sentir protegidas, aprenderam a erotizar a relação com o poderoso.

Homens e mulheres são ensinados a ser diferentes, sobretudo no que diz respeito à sensibilidade, ao desejo e às fantasias. Numa relação a dois, um imagina o outro como na realidade ele não é, e espera dele coisas que ele não pode dar. O erotismo apresenta-se, então, sob o signo do equívoco e da contradição. Entretanto, a igualdade entre os sexos tende a acabar com esta situação; ambos procuram, cada vez mais, o que os iguala e tentam superar as diferenças. Apesar disso, não deixa de ser surpreendente o fato de que, com todas as diferenças existentes até agora, sempre tenha havido atração entre os sexos e encontros amorosos.

segunda-feira, Maio 15, 2006

Dicionário da Mulher ("O QUE HOMENS PRECISAM DE SABER")

Façam uma cópia desse dicionário ou fixem bem para que as vossas mulheres, noivas, namoradas e amigas se sintam felizes com vocés.

Sim = Não

Não = Sim
Talvez = Sim
Sinto muito = Vai ser como eu quero
Nós queremos = Eu quero
Faça como quiser = Vais pagar caro por isso
Precisamos conversar = Quero me queixar de ti
Podes ir = Não quero que vá
Tu é que sabes = Não continues/não ensistas
Não estou chateada = É lógico que vou ficar chateada
Seja romântico, apague as luzes = Estou-me a sentir
Esta cozinha está feia = Quero uma casa nova
Quero uns cortinados novos = ...e carpete,móveis (novo recheio)
Ouvi barulho = Estás quase a adormecer
O quanto me amas? = Fiz algo que não vais gostar de saber
Estarei pronta em um minuto = Tire os sapatos, escolha o canal de TV e relaxe.
Estou gorda = Diga que estou linda
Tu precisas de comunicar = Concorde simplesmente comigo
Não estou a gritar = Sim, estou a gritar porque é importante

Onde falham os amantes masculinos "O QUE NÃO SE DEVE FAZER"

Meus caros, todos sabemos que no homem o erotismo é visual; na mulher sentimental e mais abrangente.
A sedução numa mulher não deve ser feita com vista ao acto sexual, mas antes a chamar a atenção sobre si, a deixa-la enamorada e obscecada por si.
Deve haver cortejamento, espaço de manobra para que ela possa ter o poder de escolher o eleito. No homem tudo é feito a pensar no acto sexual e de como será aquela mulher na cama (corresponde a uma conquista). Comunicar implicita ou excplicitamente a uma mulher "vamos fazer amor e depois dizemos adeus" é uma coisa obscena e quase certamente que ela irá recusar. O sexo deve ser sempre um subproducto do encantamento que ele é capaz de demonstrar por ela.

Por isso, aconselho vivamente a não fezer o seguinte:
  1. Concentrar-se unicamente na penetração e na força bruta da sua verga, esquecendo-se assim dos preparativos e do fairplay (carissias, beijos, conversa picantes). Estes últimos são importantissimos para a mulher.
  2. Ignorar ou não dominar a arte de beijar e acarissiar o corpo de uma mulher (em especial os seios, que muito labregos ainda abordam como se tratasse de pequeno almoço que eles se prestam a devorar desajeitadamente)
  3. Não saber abraçar e beijar. A forma de uma mulher aferir os pensamentos do homem em relação a si é ditada em grande medida pela forma de abraçar e de beijar.
  4. Sexo não é sinónimo de orgasmo e de penetração. Uma mulher pode gozar imenso sem sequer ser penetrada. Um amante atencioso e com umas mãos e língua hábis pode deixar uma mulher mais satisfeita do que uma penetração.
  5. Perguntar se uma mulher "se veio" ou não ou compará-la com outras parceiras.
  6. Ignorar os prazeres do sexo oral.
  7. Interromper subitamente as suas carissias após o orgasmo. Mais uma vez, para uma mulher a relação não se reduz ao orgasmo. Um acto sexual é um relacionamento contínuo que começa muito antes e se prolonga para depois do orgasmo. Ao contrário do homem o orgasmo nela não é um fim, mas apenas uma etapa (por vezes nem a mais importante).
  8. Fazê-la sentir-se apenas um objecto sexual. Nada repugna mais uma muher que ser tratada apens como uma "coisa com um cu e mamas maravilhosas". Não quer dizer que se deva amá-la, apenas ter cuidado em tratá-la como uma pessoa, ouvi-la, dar-lhe confianca e respeitá-la como mulher. Ela irá sentir-se muito mais feminina e o prazer do sexo será redobrado para ambos.
  9. Não respeitar as vontade da mulher, negligenciando os cuidados com o sexo seguro e a gravidez, por exemplo.
  10. Forçá-la a fazer amor.
  11. Pensar que o tamanho do pénis deve ser quanto maior melhor. O tamanho é praticamente irrevelante para o sucesso da relação. O que conta mais não é o que se tem, mas aquilo que sabe fazer com ele. E lembre-se, a sexualidade da mulher está dispersa por todo o corpo.

quinta-feira, Maio 11, 2006

Sexo e a sociedade "MUITO DE SEXO E POUCO DE AMOR"

O sexo só por si pouco significado possui. Ele só ganha o significado, quando se junta a emoção e/ou sentimento. Sexo só por sexo é algo sem sentido, um acto egoista de afirmação vã. Esse desejo, existe sobretudo nos homens e está normalmente envolvido de contornos ou de patologia mental ou de uma infância traumatizante ou fria e sem sentimentos. Embora esses casos sejam relativamente frequentes sobre eles nada mais tenho a dizer.


O sexo é uma espécie de acuçar: sózinho fere o paladar, mas quando misturado com outros ingredientes dá origem a delícias supremas. Sexo é sobretudo um acto de união espiritual, não apenas física. Sexo não é orgasmos colossais ou fornicar de meia em meia hora. Sexo não se mede pela duração da relação ou número de vezes ou qualquer outra coisa. Sexo não é uma luta mas antes uma partilha.

O sexo não deve ser uma afirmação de masculinidade ou de feminidade ou do nosso ego. Muito pelo contrário ele é antes uma diluição da nossa sexualidade. É uma entrega do homem à mulher e vice-versa. Sexo é por isso a etapa mais sublime de uma união espiritual. É algo que quanto mais damos mais ficamos preenchidos.

Hoje em dia fala-se muito de sexo e pouco de amor. Obsecados pela eficiência e pela optimização, descarnámos as relações humanas de tudo o que parecia uma superfula perda de tempo e de "recursos". Não há tempo a perder, temos de ir directamente àquilo que interessa. Assim os relacionamentos foram destilados de elementos que aparentemente só fazem perder tempo, dinheiro e paciência – sobretudo aos homens. Se não temos tempo a perder noutras coisas da vida porque não ir directamente ao que “interessa” num parceiro(a) que sentimos uma grande atracção? Ou seja sexo. Afinal não se sabe muito bem que é isso que os homens procuram por detrás de uma dessimulação bem argumentada?

Se seguir-mos esta lógica não é de estranhar pois que coisas como romance e amor estejam em vias de extinção. Não é mais um reflexo do vazio de valores espirituais da nossa sociedade e da obcessão pelo pragamtismo, pelo dinheiro, pelo sexo.

Contudo uma sociedade sem amor e sentimentos é uma sociedade não de pessoas mas de máquinas. Uma sociedade pobre.

quarta-feira, Maio 10, 2006

A masturbação "O TABU"

A masturbação sempre foi um tema tabu. Embora saibamos que quase 100% dos homens e uns 75% das mulheres se masturbem, principalmente na puberdade, este acto é tido como perverso e anormal. Quem se masturba sente-se muitas vezes culpado por a sociedade considerar que este acto é típico dos tarados sexuais e dos anormais, e até que prejudica a saúde. Ora isso é incorrecto. A masturbação é um acto de grande sensibilidade e de descoberta do nosso corpo e que pode proporcionar prazeres muito interessante e não tem nada de anormal.

A percentagem de mulheres que obtêm regularmente o orgasmo é maior naquelas que se masturbam. A masturbação não tem nada de mal é uma forma de reforçar o erotismo, alimentar as fantasias sexuais, bem como o libido. Atenção que não estou a dizer para toda a gente se começar a masturbar e que seja normal uma pessoa masturba-se obsessivamente (se o faz é porque tem algum problema de ordem psicológica). Apenas que se alguém estiver só ou sentir os seus pensamentos serem arrastados para o erotismo, que se deixe levar pelos seus sentidos até o ponto que quiser. Muitos homens, e principalmente as mulheres sentem um vazio e por vezes uma depressão após uma masturbação. É compreensível, pois estamos a iludir o nosso organismo com uma coisa que fica muito aquém de uma verdadeira relação sexual.

A masturbação masculina é relativamente simples e bem conhecida. Apenas farei referencia ao sexo oral. Os prazeres que um homem pode retirar da sucção do pénis por uma boca hábil de mulher podem ser incomparavelmente maiores que quando este a penetra. A glândula do pénis é muito sensível e, usando saliva para lubrificar, a sucção dos lábios e os carícias da língua arrancam uivos de prazer a um homem. A mulher também se excita consideravelmente. Há quem goste de sentir o esperma na boca, mas outras não apreciam o sabor um pouco ácido.


Quanto à masturbação feminina, ela consiste sobretudo nas caricias nos lábios vaginais e no clitóris após erecção. Podem-se usar vibradores e outros apetrechos, mas pode-se obter grande prazer usando unicamente as mãos. A mulher pode ainda masturbar-se no ponto G. Para isso vá à casa de banho e após fazer xixi, permaneça na sanita e introduza dois dedos profundamente na vagina e vá pressionando a parede superior até localizar o seu ponto G. É uma zona mais sensível que pressionada faz sentir uma vontade de fazer xixi novamente e um bem estar agradável. Continue a massaja-la enquanto o prazer aumentar. Pode depois continuar a masturbação na cama.

Uma forma original de obter prazer numa relação é uma masturbação mutua, ou cada um dos parceiros masturbar-se em frente do outro sem sequer haver contacto físico. Ao contrário do que se possa crer, isto é muito excitante pois alimenta abundante a imaginação e poder originar prazeres intensos em ambos.

terça-feira, Maio 09, 2006

Fantasias sexuais"O SONHO"

As fantasias sexuais são muito comuns, sobretudo nos homens. Ao contrário do que se pensa, esse excitante imaginário de afrodisiase não significa que se tenha uma mente preversa de um(a) tarado(a) sexual. As fantasias (como fazer amor com outro homem que não o marido) não trazem nada de nefasto para relação conjugal. Embora muitos homens também as tenham, provavelmente a maioria dos maridos ficariam chocados se soubessem que a mente das suas esposas era possuiada por essas fantasias. Por essa razão elas raramente as confessam. Mas eles devem saber que as fantasias vivem apenas no imaginário feminino e que a maioria das mulheres que as têm não mostram nenhuma intenção de as concretizar. Servem apenas para sonhar e orientar os sentidos quando se está ou se quer ficar excitada.

As fantasias ocorrem muitas vezes espontanemante sem que nós tenhamoas qualquer controlo. Elas podem ser alimentadas por livros ou filmes eróticos, pois faz aguçar o apetite. Os homens pensam que os filmes XXX não as interessam, antes lhes faz asco, e por isso vêem-nos às escondidas da esposa. Certo que muitas assim o acham, e com razão, pois quase todos os filmes são concebidos para satisfazer apenas o libido masculino, que tem pouco a ver com o feminino. Mas eu creio que a maioria das mulheres gosta de apreciar um bom filme erótico que além de sexo duro e crú tenha também muita sensualidade e erotismo.

Numa dose moderada as fantasias são óptimas. Como todo o prazer é coordenado pelo nosso cérebro, as fantasias sexuais são óptimas para criar desejo sexual, espicacar a imaginação e alimentam a criatividade. As fantasias são adequadas à necessidade, principalmente das mulheres, de fazer do sexo um acto criativo, original, ousado, como uma criação artística. No fundo, é nos aspectos sentimentais e sexuais que as mulheres melhor expressam, a sua criatividade, que mais as faz sonhar. Os homens são mais abstractos, menos sensíveis talvez, a esta forma de criação artística e de necessidade de criar, de inovar, de transgredir. Por exemplo, uma fantasia comum nas mulheres mais púdicas e de "boa educação" é a de serem possuidas à força. Isso parece satisfazer a sua curiosidade e o seu inconsistente que associa o amor à criatividade, ao quebrar as regras e ir loucamente à aventura.

As fantasias são muito importantes para as mulheres uma vez que, ao contrário dos homens, a sua mente não reage tão rápidamente aos estimulos sexuais e é menos capaz de se desligar dos problemas do dia-à-dia. Como já vimos, para que uma mulher possa ter prazer máximo numa relação e receber satisfação por todos os sentidos, a sua mente deve estar completamente solta, liberta das coisas mundanas e possuida unicamente por desejos de prazer associados à sensualidade e ao sexo.


As fantasias podem ser de vários tipos, desde a simples imaginação de ser beijada por um homem que se viu na rua, até cenas de sexo em grupo. Infelismente muitas vezes esses pensamentos são veementemente reprimidos. Mas a mulher deve desinibir-se e aprender a aceitá-los e a gozar a satisfação quando a sua mente passar por situações excitantes. Aceitar as fantasias é aceitar-se a si própria tal como é e não como a sociedade espera que você seja. Parece no entanto não ser muito comum a mulher ter fantasias enquanto está a fazer amor com o parceiro.

Heis algumas fantasias comuns nas mulheres.

· Ser acariciada e beijada ternamente por um homem

· Lembrar-se de outra relação

· Ser desejada por muitos homens

· Fazer amor com outra mulher

· Fazer amor em locais proibidos ou perigosos

· Ser forçada a fazer amor

· Ser observada por uma audiência enquanto faz amor



Ser acariciada e beijada ternamente por um homem, é de longe a mais comum das fantasias. Embora a maioria se manisfesta-se pouco entusiasmada por uma relação extra-conjugal com sexo. Elas preferem partilhar apenas carícias (sem sexo) com outros homens.
Eu vejo isso como:
i) o sexo é muito especial para uma mulher e que ela não tem interesse em fazê-lo com qualquer um, mas de preferencia com o homem que partilha a sua vida;
ii) apesar disso, a maioria aprecia ser seduzida, cortejada e desejada. Desde que da parte do homem não haja pressões ou sentidos preversos de obter sexo, muitas apreciam ser tocadas e mimadas não só com palavras como com carinhos.

No caso dos homens as fantasias envolvem sobretudo sexo explícito com uma mulher, normalmente alguém que se conhece (raramente uma estranha): uma amiga, colega de trabalho, etc. Envolve muito mais contactos físicos e desprovidos de cenários: resume-se à presença da mulher.

As fantasias são uma forma de alimentar um desejo inconsciente que não se pode ou não se quer realizar. É, até certo ponto, semelhante ao vício do jogo ou do alcóol: alimenta necessidades de satisfação física ou psíquicas que o organismo não consegue obter na realidade - quer por incapacidade, quer por proibição. No caso do sexo pode ser o voyeurismo, o exibicionismo, o fetichismo, ou a sodomização. Tal como outros vícios, as fantasias são uma fuga à realidade. Como todas as fugas, elas podem ser toleradas mas só até um certo ponto. Caso contrário corre-se o risco de elas se tornarem um substituto da própria realidade. Portanto cuidado: as fantasias constituiem um excelente afrodisíaco, mas em excesso são um sinal que algo está mal. Um dos sinais preocupantes é depender-mos delas para ter prazer.

Incluir mais detalhes sobre as fantasias sexuais e a conversação picante, nomeamente a sua importancia na estimulação da mente para a relação da mulher. Mas as fantasias podem satisfazer ainda outro objectivo se forem bem usadas pelo homem. Como já disse, o principal canal para se chegar ao coração de uma mulher são os ouvidos. Ou seja, é sobretudo pelas palavras convenientes que se seduz uma mulher.

Infelizmente, muitas mulheres, condicionadas sentindo-se culpabilizadas pela sociedade, reprimem veementemente as suas fantasias e muitos desejos libidinosos. Isso é mau, pois por um lado torna-as sexualmente mais frias e insensíveis, e por outro faz com que essas necessidades subconscientes não satisfeitas acabem por derivar em tensão que muitas vezes é canalizada para atitudes como a inveja, o ciume, a indiferença, ou a depressão. Estou convencido que boa parte da frieza e maldade atribuidas às mulheres tem a sua origem nas frustrações sentimentais e sexuais: repressão do desejo, ausência de amor e de fantasia, incapacidade ou impossibilidade de mostrar a sua sensualidade, falta de atenção, etc.

Muitas mulheres sentem-se culpadas por as suas fantasias serem com outros homens e não com o marido. Mas, e mais uma vez, elas devem saber que as fantasias são para sonhar e não para se concretizar.

Obs: Cuidado ao revelar as fantasias ao seu parceiro. Alguns homens podem reagir muito mal às fantasias das suas esposas, julgando estar a ser traídos.

segunda-feira, Maio 08, 2006

A Hora do Relaxe (Momento MUST)

Tal como a fase de excitação, o relaxe na mulher é muito mais lento e gradual que no homem, e pode durar 5 minutos, ou até horas. Contrariamente ao que se possa pensar, é uma parte muito importante para um mulher. É o momento em que ela assume a consciência para saborear a sua obra prima. É a altura da ternura e carinho e de lhe mostrar o quanto feliz se está. Há mulheres que consideram que esta parte pode ser tão boa para elas como o orgasmo. Uma conversa de amor entrelaçada nos braços daquele que ama, pode ser a parte mais inesquecível daquela noite.

O pior que pode fazer a uma mulher após ter feito amor é por-se para a lado e começar imediatamente a dormir, ou levantar-se e ir para a casa de banho. Isso irá quebrar instantemente toda a magia daquele momento e vai deitar por água abaixo tudo o que se fez até aí. Lembre-se sempre, tudo conta para uma mulher, nenhuma parte pode ser esquecida sob o risco de ocorrer um completo fiasco.

É como preparar um foguetão para descolagem: todos os pormenores tem de ser cuidadosamente preparados, uma falha mínima é o desastre. Uma mulher precisa de ternura depois de fazer amor. Algumas gostam de conversar, e umas palavras meigas, uns beijos suaves caem sempre bem. Há quem não goste de falar, e nesse caso pode permanecer calado (antes calado que começar a falar de futebol, ou fazer comparações com outras vezes, ou outras palermices quaisquer). Mas seja como for, o que a acabaram de fazer representa para a mulher uma obra prima valiosa e de grande fragilidade. Ter o máximo cuidado, pois ao menor descuido aquilo que foi uma odisseia encantada pode tornar-se numa catástofre.

O orgasmo "TEMPO & PACIÊNCIA"

O orgasmo é o principal objectivo a alcançar numa relação. (As horas, os jantares, os presentes e as atenções que muito homens tem de "gastar" para ter acesso a uns ínfimos segundos de prazer!) Embora esse objectivo seja cumprido para a maioria dos homens, nas mulheres a taxa de sucesso é muito mais baixa, segundo alguns estudos, cerca de 50% da mulheres nunca tiverem sequer um orgasmo.

É difícil para um homem detectar quando uma mulher tem um orgasmo. As mulheres são peritas na simulação, e muitas das vezes simulam ter atingido o orgasmo apenas para dar prazer ao seu parceiro, para que este não se sinta incompetente. Um homem gosta de deixar a missão cumprida! Grande parte da sua satisfação é estar convencido que está a dar prazer à parceira - o reciproco também é verdade, mas talvez em menor grau. Há mulheres que não sabem se alguma vez tiveram um orgasmo. Elas só saberão quando um dia sentirem um verdadeiro, pois a sua sensação é muito intensa e única.

Existem vários tipos de orgasmo feminino, cujo número varia segundo os estudos, mas que na minha opinião e conhecimento os seguintes são básicos:




· Clitoriano

· Vaginal

· Orgasmo do ponto G (da FELINA)



O primeiro é de longe o mais fácil de atingir e o mais comum. Este orgasmo está directamente relacionado com a excitação do clitóris, e a sensação de prazer vaginal é localizada sobretudo nessa região. Caracteriza-se primeiro pelo aparecimento de uma onda de prazer sobre a forma de uma contracção espasmódica e involuntária dos músculos que se propaga por todo o corpo. Os músculos do perineu, na entrada da vagina, contractem-se violentamente em torno da base do pénis, e sente-se como uma sensação de contracção e sucção sobre o pénis. Nesse momento o útero sobre uma ascensão. Segue-se depois uma sensação de libertação como uma "ejaculação" com um prazer muito intenso localizado ao longo do canal vaginal. A vagina é intensamente lubrificada por uma forte secreção no momento do orgasmos (mulher deixa-se "vir"). Durante o orgasmo o clitóris contrai-se para voltar a erguer-se pouco tempo depois. Mas ele não deve ser tocado, pois pode provocar dor.

O orgasmo vaginal, está mais indirectamente relacionado com clitóris. A sensação de prazer é maior, mais longa e difusa por todos os músculos vaginais. Para atingir este orgasmo é necessário um estimulação mais longa de toda a vagina a um ritmo constante. Aquando do orgasmo a vagina produz uma abundante lubrificação (ejaculação feminina).

Numa mulher o orgasmo pode assumir várias formas. O normal é um orgasmo de alguns segundos (normalmente 5 a 15 segundos). Mas pode ter um orgasmo mais longo (até 1 minuto), ou ainda orgasmos múltiplos, tudo depende da sua condição física e psicológica e da atenção do parceiro. Os orgasmos múltiplos podem ser de duas formas. Ritmados como que em cascata com intervalos de apenas alguns segundos e durante poucos minutos. Ou então, uma vez que o nível de excitação na mulher decai muito lentamente, se o parceiro continuar os movimentos de vai-e-vem, ela pode voltar a subir o seu nível de excitação e voltar ter um outro orgasmo após poucos minutos (1 ou 2) e de intensidade semelhante ao primeiro. Em casos muito excepcionais, a vaga de orgasmos pode prolongar-se por um tempo muito longo. Alguns instantes após o primeiro orgasmo a mulher sabe se vai ter outro ou não. O parceiro deve estar pois atento e deixar se ela a comandar as operações.

Após um orgasmo segue-se um momento de grande alívio e relaxe da tensão acumulada. É a bonança depois da tempestade.

O homem não se deve sentir mal por ele só conseguir um orgasmo. Antes pelo contrário, deve sentir-se feliz por ter conseguido proporcionar um prazer tão refinado à sua parceira. Há algumas técnicas que podem ajudar a retardar a ejaculação e até a ter orgasmos múltiplos sem ejacular.

O orgasmo perineal ou orgasmo do ponto G é o orgasmo que está relacionado com a excitação de uma zona profunda e de grande sensibilidade na parte superior da vagina designada por ponto G. É um orgasmo curto, intenso e violento, que pode levar facilmente uma mulher ao sétimo céu. É mais difícil de obter que o orgasmo clitoriano, pois necessita de uma penetração muito prolongada e profunda que estimule essa zona do ponto G. Muitas vezes só é possível atingi-lo numa posição em que a mulher está por cima. Pode-se ajudar a estimulação desta zona fazendo pressão com a palma da mão por baixo do útero da mulher ou através do controlo dos movimentos do pénis no interior da vagina.

A estimulação do ponto G deve ser feita após a mulher ter atingido o orgasmo clitoriano, pois antes disso, a mulher ainda não está preparada e irá apenas distrai-la com uma sensação de prazer muito difusa. Por outro lado, como após o orgasmo clitoriano, o clitóris fica doloroso ao toque, é a altura certa de iniciar a estimulação profunda do ponto G (a posição de missionário não é a mais indicada. É melhor deixar a mulher vir para cima de si). Para isso, deve manter a pressão externa por baixo do útero com 1 ou 2 dedos cerrados e continuar a penetração profunda constante a uma cadência ritmada (não muito lenta nem muito rápida), ao nível do ponto G.

Ao contrário do orgasmos clitoriano, o orgasmo do ponto G caracteriza-se por uma sensação de vazio nessa zona e uma contracção para baixo de todos os músculos da cintura pélvica. Sente-se o útero a deslocar-se para baixo como que para ir preencher o vazio que se faz sentir na sua base indo à procura do pénis para o envolver.

Depois do orgasmo do ponto G, a estimulação deve voltar a ser redireccionada para as zonas exógenas envolventes do clitóris. A mulher pode obter um novo orgasmo clitoriano. Nesse momento, pode voltar-se a excitar o ponto G repetindo assim o ciclo. Esta sequência de orgasmos pode prolongar-se varias vezes, durante mesmo horas, mas é extremamente rara.

Nem todas as mulheres conseguem atingir esse orgasmo e não é claro para os investigadores que ele exista de todo. Por isso não ponha muita enfânse na sua conquista.

OBS: quando estiver na relação aplique uma pressão constante na parte superior da vagina para aumentar a excitação do clitóris. Isso pode ser mais facilmente obtido se puser as suas pernas bem abertas por cima da sua parceira envolvendo-a.

A relação "COM ENTREGA & PAIXÂO"

Para que uma mulher atinja um orgasmo, necessita de estar relativamente à vontade com o parceiro (se for a primeira vez com alguém é menos provável ter um bom orgasmo), estar segura (saber que da relação nada de mal pode acontecer - engravidar, sida, etc), estar descontraída (não estar preocupada ou ansiosa com algum problema que a afecta), estar na intimidade (que naquele momento no mundo só existem ela e ele).

Uma relação normal comporta 4 fases comuns a ambos os sexos, mas de variação, modo e intensidade distintas.



· Excitação


· Plateau


· Orgasmo


· Relaxe



Para as mulheres, a ideia geral é saber prolongar ao máximo as duas primeiras fases, pois a intensidade na fase do orgasmo é em grande parte proporcional ao tempo dispensado nestas etapas. No início o homem deve tomar a iniciativa e executar correcta e prolongadamente a fase de excitação. Para a mulher estar pronta ele deve conseguir alimentar um desejo ardente e incontido de ser penetrada. É uma fase muito importante e da qual muito depende o sucessos das fases seguintes.

Tudo na mulher é mais lento em relação ao homem, mas também mais intenso. Deve-se ter sempre isso em mente, pois se a mulher não passar com sucesso por todas as fases, mesmo a última, a relação pode tornar-se um fracasso.

A fase de excitação pode ser quase instantânea no homem, e é fácil de detectar pela completa erecção do pénis. Na mulher ela evolui mais lentamente (pode ir tipicamente de 5 a 30 minutos). Caracteriza-se pelo aumento do fluxo sanguíneo em várias partes do corpo, como no rosto no pescoço e no ventre, aumento do volume dos seios e erecção dos mamilos, lubrificação da vagina e dilatação dos lábios vaginais para prepararem a entrada do pénis. O grau de excitação de uma mulher é facilmente avaliado pela lubrificação vaginal.

Para que se consiga a excitação necessária numa mulher, aconselho-o vivamente a recorrer aos métodos descritos na "Conhecimento, preparação, sedução e excitação ".
Um ponto particularmente importante é a conveniente excitação do clitóris, feita na parte final dos preparativos.
Está provado que a maioria dos orgasmos (os orgasmos clitoriais) estão directa ou indirectamente relacionados com a excitação do clitóris. Contudo, como o clitóris está numa posição muito elevada, na maioria das posições os movimentos de vai-e-vem do pénis apenas o estimulam muito indirectamente. Uma alternativa é estimulá-lo manualmente, mas isso nem sempre é possível em muitas posições, e por outro lado é melhor usar as mãos para outras coisas, como acariciar a sua parceira.

Um pequeno truque consiste em o parceiro fazer uma pressão contínua com o pénis sobre a zona superior da vagina onde se encontra o clitóris. A forma mais fácil de o fazer é ou com a sua parceira por cima de si ou então por as pernas abertas por cima dela de forma a envolvê-la e aplicar uma pressão forte e contínua.

Se o clitóris não tiver sido convenientemente excitado nesta fase, será necessário que a fase do plateau (com penetração) se prolongue por muito mais tempo para atingir o nível de excitação necessário. Uma melhor convenientemente excitada é capaz de atingir o orgasmo tão depressa como o homem (2 ou 3 minutos). Para muitas não é mesmo possível chegar ao orgasmo sem primeiro receberem uma boa excitação do clitóris.

A fase seguinte do plateau, começa em geral aquando da penetração. Aqui o melhor condutor do prazer é sem dúvida a mulher. Deixe ser ela a tomar as rédeas. Satisfaça os seus caprichos mais inebriantes. Elas vibram quando aquando da rendição ao seu domino absoluto. Não tenha medo, deixe-se guiar até o paraíso do prazer, onde elas são rainhas absolutas. Há homens que não apreciam ser as mulheres a tomar a iniciativa, pois julgam que isso os faz sentir inferiores. Além de ser um receio infundado, a sua arrogância vai impedi-lo (e a ela também) de chegar a maravilhosos recantos do paraíso do prazer, pois são caminhos que só uma mulher conhece.

No plateau o nível de excitação de ambos aumenta significativamente de inicio para continuar elevado sem contudo aumentar significativamente. É nesta fase que o homem tem de aguentar as rédeas e saber acompanhar a sua parceira. Nada de pressas. Manter um controlo da respiração, concentrar-se apenas na volúpia do prazer, dê rédeas soltas às suas fantasias sexuais. Não se ponha em cima dela como quem sobe para cima de um saco de batatas, para depois se por a "dar à bomba" freneticamente como quem vai a apanhar o último comboio. Calma, não existe comboio nenhum. Você vai simplesmente fazer uma viagem até às estrelas, e não se preocupe com que já se encontra dentro do "veículo espacial". Deixe-se ir subindo pelas nuvens!

Relaxe e deixe-se embalar pelos movimentos harmoniosos e envolventes dos vossos corpos como se fossem vagas no oceano infinito alimentadas por uma brisa suave. Ouça os sons melodiosos da sua companheira denunciadores do seu prazer incontido. Goze estes momentos únicos e deliciosos. Esta parte é tanto ou mais importante que o orgasmo em si. Por isso faça a sentir à sua parceira que você é naquele momento o homem mais feliz do mundo e que ela lhe dá um prazer descomunal. Diga-lhe isso. Em geral as mulheres adoram que lhes digam palavras de paixão e carinho quando estão a ser penetradas. Diga-lhe que ela é a mais bela do mundo, que a ama, diga-lhe como adora as suas nádegas e os seus seios enquanto os acaricia. Sinta-a vibrar sensualmente aos seus toques como um diapasão. Concentre-se verdadeiramente naquilo que está a fazer, esqueça-se que o mundo existe. Voe com ela até às nuvens, sonhe, sonhe, sonhe. O prazer não vem do seu pénis, mas quase exclusivamente da sua imaginação. Não há nem espaço nem pessoas, nem passado nem futuro. Tudo se concentra e se esmaga entre os vossos corpos possuídos pela paixão.

Mantenha a respiração profunda e ritmada pelo movimento de vai-e-vem como numa endurance. Uma boa forma física ajuda imenso nesta fase. A respiração é importante para oxigenar os músculos e não perder o controlo, como sabem muito bem as mulheres que já tiveram um filho.

Quando o prazer sobe a um pico em que se tornar difícil de controlar, o nível de excitação sobe mais uma vez acentuadamente para atingir o santum santorum. A mulher fica com o rosto muito vermelho, os lábios da vagina ficam ao rubro e a aureola em torno dos mamilos fica ainda mais inchada quase que dissimulando a erecção destes. Aí pode esquecer-se da respiração os vossos corpos estão já completamente fora de controle. Deixe-os esmagarem-se.

Há mulheres que tem dificuldade em passar da fase do plateau. Mas se continuar a excitá-la convenientemente com as suas caricias e mantiver o ritmo de penetração, ela não tem outra saída que não seja um orgasmo.

Conhecimento, preparação, sedução e excitação

O prazer, embora possa ser estimulado pelo contacto físico, é uma sensação unica e psicológica que se cria no nosso cérebro. É bem verdade que é muito difícil obter prazer numa relação sexual se a nossa mente não estiver possuída pelo erotismo e desejos de volúpia. Para isso é necessário que haja privacidade, que a mulher se sinta segura, e que ambos os parceiros estejam descontraídos e desinibidos num clima de envolvimento.
Não se pode fazer amor quando ocupamos a nossa mente com pensamentos do que se vai fazer amanhã, ou na roupa que ficou para passar a ferro, ou na reunião importante que se teve nesse dia. Para obter um prazer máximo a mente deve estar livre e concentrada em dar e receber o máximo de prazer ao parceiro. Só pode existir aquele instante, nada mais.

É importante ainda que o homem possua uma boa auto-confiança e à-vontade, e que a mulher se sinta bela e sedutora (mesmo que ela não o seja, é dever do homem fazê-la sentir-se como se possuisse estes atributos).
Cuidado porém com os excessos, por parte do homem pela postura demasiado convencida, tipo macho man irresistível, ou então por parte do sexo oposto apresentando uma postura de mulher fatal. Estas atitudes servem apenas para alimentar mitos cinematográficos que em nada ajudam a um entendimento. Estas posturas fazem criar expectativas desmedidas que, no seu esforço para não desiludir o parceiro, conduz a atitudes artificiais e consequentes frustrações. Deixo claro, que os preparativos são sobretudo de ordem psicológica.
Devemos sempre comecar pelo modo de comunicação mais básico: os olhos. Os olhos são o espelho da alma. Sem que uma só palavra seja proferida, é através deles que se pode aferir o interesse e a disponibilidade no parceiro. As mulheres possuem uma capacidade impressionante de interpretar o olhar de um homem e assimilar mensagens subtis que ele nem sonha estar a transmitir. Todas as mulheres gostam que os homens reparem nelas. Se eles não o fazem, elas sentem-se mal, rejeitadas. Mas atenção, o primeiro olhar deve ser só subtil e não ser demasiado intenso, como que manifestando segundas intenções. Isso cria receio na mulher e bloqueia totalmente qualquer tentativa de aproximação. Como em todos os aspectos deve-se ser sempre inteligente, subtil e sobretudo delicado na abordagem de uma mulher. Deve-se deixar ser sempre a mulher a dar o sinal de aceitação ou rejeição. Eu sei que os sinais que elas dão podem ser muito subtis e susceptíveis de interpretação dupla por um inexperiente. Mas cuidado, nunca avançar quando uma mulher mostra não estar interessada, pois isso poderá fazê-la sentir-se ameaçada.

A leitura do primeiro olhar de um homem, pode fazer uma mulher decidir-se instantaneamente se ele a a interessa ou não. Mesmo sem dizer uma palavra os olhos estabelecem uma comunicação imediata que pode ser muito rica. Se ela estiver receptiva, pode-se avançar para uma fase mais arrojada onde se trocam olhares cúmplices. Agrada muito a uma mulher saber que é desejada pelos homens, embora possa não ter nenhuma intenção de fazer amor com eles. Gosta apenas de saber que agrada aos homens.
Nota: existe uma faceta terrível desta realidade. Se uma mulher se sente gorda, feia, velha, borbulhenta, no fundo não desejada, pode ser o suficiente para que ela leve uma vida miserável. Penso que isso deve ser muito deprimente para a mulher e injusto, pois há muitas mulheres nestas circunstâncias que possuem uma beleza interior resplandescente ou que são capazes de amar de uma forma apaixonada, mas que, apenas pelo facto do homem dar uma importância suprema ao aspecto visual, vivem privadas de amor. Mais, nas sociedades modernas a aparência física (seios pronunciados, cintura de vespa, pernas delgadas, etc.) tornou-se numa tal obsessão para as mulheres que elas acabam por negligenciar todos os outros aspectos importantíssimos numa relação a longo prazo: a educação, a ternura, a capacidade de educar os filhos, a cultura geral, etc.

A juntar a tudo isso, há ainda o ideal masculino de uma mulher sexy ser uma jovem com menos de 30 anos, de preferência com 20, ou até menos. Creio que no fundo corresponde ao facto do homem procurar na parceira uma espécie de elixir da juventude e de frescura. Eu acho isso é um grande erro. Geralmente só na casa dos 30 anos é que a mulher atinge uma maturidade sexual plena e uma sensualidade mais pronunciada. Em condições normais é nessas idades que ela está no seu auge, sobretudo depois de aprender a desinibir-se dos preconceitos, insegurança e medos sexuais que geralmente a atormentam enquanto jovem. É finalmente uma mulher na sua plenitude, consciente de si que sabe exprimir a sua sensualidade sem complexos. É essa a mulher que é capaz de satisfazer plenamente um homem com a sua ternura, o seu calor e a sua expressão de femininidade.

O olhar é o meio mais subtil e interessante de convidar uma mulher para o amor. E esse convite deve ser feito de uma forma subtil, indirecta e imaginativa. Isso alimenta a imaginação, aguça a curiosidade e estimula o desejo sexual. Veja a diferença entre o que seria dizer a uma mulher "vamos foder", ou sussurrar-lhe ao ouvido "não me queres conduzir às portas do paraíso? Eu podia mostrar-te o caminho, mas os meus olhos estão irremediavelmente perdidos no teu corpo". A mulher é muito menos obcecada pelo aspecto físico do homem que o inverso. Elas sabem e gostam de apreciar outros valores. Palavras adequadas e bem empregues podem fazer milagres no coração de uma mulher. A magia das palavras é bem ilustrada, por exemplo, um homem feio mas imaginativo, consegue com palavras de amor incendiar de paixão o coração de uma mulher. As mulheres gostam de sonhar e de ser embaladas por umas palavras belas aos seus ouvidos. Podem achar que isso é muita fantasia e romance, mas é exactamente por falta de romance e excesso de materialismo que hoje muitas mulheres não se sentem amadas.

Numa fase mais avançada uma conversa picante, um filme hardcore ou uma revista erótica podem funcionar como um afrodisiaco, embora estes meios não sejam muito recomendáveis. Muitas mulheres sentem uma repulsa instintiva por este género de excitação "obscena" tipicamente masculina. Algumas há que apreciam desde que apresentadas de uma forma delicada e num contexto adequado. De facto elas têm muitas razões para não gostarem destes produtos, pois els são quase exclusivamente preparados para excitar os homens. Os filmes eróticos como Emmanuel ou Nove Semanas e Meia são mais adequados. Mas se querem um conselho, a melhor forma de seduzir uma mulher é fazê-la sentir-se especial e desejada. Mostar-se atencioso e compreensivo, mas também ousado quanto baste. Não e preciso comprar- lhe joias e presentes dispendiosos. A mulher que se deixa seduzir apenas por isso, não está certamente à procura de amor. Leve-a a jantar fora, ou melhor ainda faça-lhe você mesmo o jantar. Surpreenda-a. Use a imaginação para fugir à banalidade. Em vez de alugar um quarto de hotel para um fim de semana, pegue nuns sacos-cama e convide-a para dormir ao relento numa praia deserta ou, se não for possível, num parque de campismo. Em vez de fazer um passeio no seu carro para a impressionar com a potência do seu motor, pegue num par de bicicletas dê antes um passeio num local apresível e relaxante. Acredito que a maioria das mulheres ainda são seres românticos que apreciam mais uma flôr acompanhada de um beijo que uma viagem num BMW a 200 km/h acompanhada de comentários estúpidos sobre o desempenho da máquina.

Os homens gostam de pensar que as suas esposas são uma espécie de virgens puras e inocentes. Muitos ficariam estarrecidos se ouvissem as suas esposas ou namoradas contarem-lhes alguns pensamentos mais ousados de desejo. Pensariam que ela teria a mente perversa e só pensa no sexo. Nada de mais errado. Se alguém anda sempre com ideias fixas no sexo são os homens. As mulheres apenas gostam de gozar umas fantasias, nada mais. Porque é que elas não hão-de ter também o direito a te-las? Deixe pois a sua parceira exprimir as suas fantasias e sentimentos mais íntimos (embora duvido que muitas o façam). Isso é uma forma de reforçar a intimidade do casal.

Preparação dos sentidos, não diz preparação do corpo. Nunca é demais repetir, que uma mulher tem o prazer distribuído por todo o corpo e por todos os sentidos. Para ela tudo é importante, os cheiros, a luz, os sons, tudo faz parte de um contexto com muita importância. O que é importante e excitante depende muito de mulher para mulher (muitas vezes nem elas sabem definir bem o que as excita), bem como da forma como são estimuladas, por isso não irei apresentar nenhuma receita como excitar cada parte do corpo, mas somente alguns princípios gerais. A única forma de aprender é explorando...por isso, experimente você mesmo conhecer o corpo da sua parceira.

Não avançe com a ideia fixa na vagina e sua penetração. Descontraia-se e concentre-se antes em cada local que está a estimular. Sobretudo não tenha pressa. Para si o tempo parou e o resto mundo deixou de existir.

Distribua o prazer por todos os sentidos. Não a acaricie apenas. Beije-a, cheire-a e deixe-a cheirá-lo, "prove-a". Diga o quanto está a gostar de estar com ela. Diga o quanto ela o excita. Diga que a ama!

Distribua prazer por todo o corpo. Há mulheres que adoram ser acariciadas nos cabelos, nas orelhas, no pescoço, nos pés. A localização das zonas mais sensíveis e os pontos secretos é variável e às vezes só podem ser acordadas através de uma estimulação muito especial. Por isso não tenha medo, aventure-se.

Quem dá prazer ao parceiro recebe também ele prazer por efeito de ricochete.
Quem excita fica excitado, dando assim origem a um interessante efeito bola de neve. Por isso não tenha receio em dar prazer ao seu parceiro, comunicando-lhe por sua vez o prazer que está a sentir. Para este efeito ocorrer pode nem sequer haver contacto físico (é por isso que as hotlines são tão lucrativas!).

Todas as mulheres são diferentes, mas qualquer zona do seu corpo é uma potencial fonte de prazer. Por um lado cada parte do corpo possui graus de sensibilidade muito distintos, e por outro certas zonas mais delicadas só adquirem sensibilidade após uma excitação elevada. Por isso a estimulação deve ser feita gradualmente a fim que se possa saber como está o parceiro a reagir. Regra geral, parte-se das zonas menos sensíveis como as costas para as zonas mais sensíveis como a zona púbica. É um erro tentar massajar o clitóris da sua parceira logo no inicio, pois uma vez que este não está excitado, isso apenas lhe irá provocar dor e não prazer.

Mais que em qualquer outro ponto exige-se nesta fase uma atenção extrema, pois:
i) o que pode e dá prazer a algumas mulheres noutras pode apenas induzir a recusa ou provocar dor;
ii) a forma como se procede à estimulação é muito importante;
iii) a fronteira entre o prazer e a dor pode ser extremamente ténue. No caso dos mamilos, o prazer aumenta com a intensidade da pressão aplicada até um ponto limite após o qual o prazer extremo se pode tornar em dor aguda.

Pode-se começar por uma massagem, usando um creme apropriado ou um óleo. Uma massagem é muito relaxante, prepara e estimula adequadamente os músculos do corpo para as fases posteriores onde são geradas grandes tensões musculares. Umas mãos fortes e macias moldam um mulher com a mesma facilidade que um oleiro molda o barro. As mãos são capazes de fazer milagres no corpo de um mulher, e elas adoram ser acariciadas com ternura e sensualidade. Não é por acaso que as mãos são das partes do corpo de um homem que elas mais apreciam. E umas das fantasias eróticas mais comuns nas mulheres é imaginarem o seu corpo ser ternamente acariciado por um ou vários homens. A progressão na fase das caricias deve ser feita por etapas de uma forma progressiva e ao ritmo ditado pela mulher. Há alguns aspectos que se deve dar especial atenção: Boca, língua e beijos.
A boca é uma parte do corpo muito erótica com a qual se pode obter deliciosos prazeres. Um homem que saiba beijar uma mulher, tem meio caminho andado para a conquistar. A mulher serve-se do beijo como se fosse um barómetro com o qual avalia a intensidade da paixão e a ternura que o parceiro é capaz. Seja por isso muito atento ao beijar.

Uma viagem da sua boca e mãos pelo corpo sequioso de uma mulher, fazem-na transpirar prazer por todos os poros. A língua serve para muito mais que beijar. "Saborei" a sua parceira, morda-a, lamba-a, chupea-a. Não desperdiçe essa saborosa "sobremessa". Pode acrescentar alguns ingredientes como cholocate, licor ou chantily. O gosto é seu. Por outro lado a textura áspera e carnuda da língua é excelente para recantos íntimos onde muitas mulheres guardam segredos, as orelhas, os seios, os pés, as virilhas… Mas o local talvez mais apropriado à exploração labial é a vagina e em particular o clitóris.

O clitóris é uma pequena saliência na parte superior da vagina onde a mulher é mais sensível. É o equivalente da cabeça do pénis, zona igualmente mais excitante deste membro. Mas tal como esta última, o clitóris só pode ser estimulado quando está com uma boa "erecção" e a mulher húmida, ou seja relativamente estimulada. O sexo oral, além de muito estimulante, é de extrema importância. Muitos homens sentem uma certa repulsa em praticar o sexo oral. Esses não sabem que estão a perder uma das delícias do amor com uma mulher. As mulheres, em geral, adoram a estimulação da língua nos lábios vaginais e no clitóris. Muitas podem ter um orgasmo com relativa facilidade excitando convenientemente o clitóris com a língua e as nádegas ou os seios com as mãos. Como diz, com muita verdade, o ditado: "enquanto houver língua e dedo não há mulher que meta medo."

Um homem também adora o sexo oral. Uma boca hábil de mulher, pode dar um prazer bem mais intenso a um homem que a penetração. Não tenham pois receio para se não privarem destas delicias que reservam os vossos corpos. Atenção: o sexo oral exige que, além dos parceiros terem adquirido já uma certa intimidade, exista também uma boa higiene. Se tem dúvidas em relação a isso, não o pratique. Há mulheres que se excitam imenso ao ouvir as palavras mais obscenas e ordinárias que se possa imaginar, como "chupa-me", "vou-te foder", "enterra-o todo". Muitos homens sentem-se inibidos por as dizer, mas não se esqueçam, que o sexo tem muito de animal e que nesse aspecto as mulheres estão muito à frente dos homens. Mas cuidado, cada mulher tem a sua sensibilidade e há que saber respeita-la. Jamais se deve contrariá-la, pois isso é o caminho para o fracasso. Se ela mostrar repulsa, esqueça. Use a imaginação (ou as mãos) para chegar ao fim por ambos desejado.

Vá prolongando as suas caricias enquanto vê crescer o desejo sexual dela a um ponto em que se torna quase insuportável. Espere até que todo o corpo e a mente da sua parceira lhe exijam que seja penetrada. Lembre-se, o segredo do sexo consiste em saber controlar os nossos corpos a fim de prolongar ao máximo cada nível de excitação. Não faça uma corrida para o orgasmo!