Counter

quinta-feira, maio 11, 2006

Sexo e a sociedade "MUITO DE SEXO E POUCO DE AMOR"

O sexo só por si pouco significado possui. Ele só ganha o significado, quando se junta a emoção e/ou sentimento. Sexo só por sexo é algo sem sentido, um acto egoista de afirmação vã. Esse desejo, existe sobretudo nos homens e está normalmente envolvido de contornos ou de patologia mental ou de uma infância traumatizante ou fria e sem sentimentos. Embora esses casos sejam relativamente frequentes sobre eles nada mais tenho a dizer.


O sexo é uma espécie de acuçar: sózinho fere o paladar, mas quando misturado com outros ingredientes dá origem a delícias supremas. Sexo é sobretudo um acto de união espiritual, não apenas física. Sexo não é orgasmos colossais ou fornicar de meia em meia hora. Sexo não se mede pela duração da relação ou número de vezes ou qualquer outra coisa. Sexo não é uma luta mas antes uma partilha.

O sexo não deve ser uma afirmação de masculinidade ou de feminidade ou do nosso ego. Muito pelo contrário ele é antes uma diluição da nossa sexualidade. É uma entrega do homem à mulher e vice-versa. Sexo é por isso a etapa mais sublime de uma união espiritual. É algo que quanto mais damos mais ficamos preenchidos.

Hoje em dia fala-se muito de sexo e pouco de amor. Obsecados pela eficiência e pela optimização, descarnámos as relações humanas de tudo o que parecia uma superfula perda de tempo e de "recursos". Não há tempo a perder, temos de ir directamente àquilo que interessa. Assim os relacionamentos foram destilados de elementos que aparentemente só fazem perder tempo, dinheiro e paciência – sobretudo aos homens. Se não temos tempo a perder noutras coisas da vida porque não ir directamente ao que “interessa” num parceiro(a) que sentimos uma grande atracção? Ou seja sexo. Afinal não se sabe muito bem que é isso que os homens procuram por detrás de uma dessimulação bem argumentada?

Se seguir-mos esta lógica não é de estranhar pois que coisas como romance e amor estejam em vias de extinção. Não é mais um reflexo do vazio de valores espirituais da nossa sociedade e da obcessão pelo pragamtismo, pelo dinheiro, pelo sexo.

Contudo uma sociedade sem amor e sentimentos é uma sociedade não de pessoas mas de máquinas. Uma sociedade pobre.

3 Comments:

Anonymous olhardaaldemira said...

Hummm...e não é que ele tem razão :)
Já agora, calça as tuas palavras no teu caminho!!
Beijo...abraço e assim :)

terça-feira, 16 maio, 2006  
Blogger Gentleman said...

Olá!

Eu so escrevo aquilo que penso, sou e encaro o acto de fazer amor.
Eu não posso calçar algo que ja está calçado...por isso resolvi partilhar aquilo que vou conhecendo e pratico (e digo-te que sou uma pessoa que gesta de descobrir, que tem paciência e que sabe que uma conversa carinhosa no momento RELAXE, abre a mente para o maravilhoso mundo) como um aluno exemplar. O resto é so deixar o corpo falar a linguagem do toque e da sensualidade.
Beijos

terça-feira, 16 maio, 2006  
Blogger Su@vissima said...

Hummm..interessante, no mínimo :)
Sabes, que essa linguagem não se aprende?....ou é natural, ou então não existe...Gostei!
Beijo

domingo, 21 maio, 2006  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home